O Que é Amor?

Amar o próximo como a si mesmo. Essa é a máxima, que não só convida a amar as pessoas, com quem convivemos, mas a amar a si próprio. Não com propósitos egoístas, mas com propósitos de crescimento.
Amar o próximo como a si mesmo. Essa é a máxima, que não só convida a amar as pessoas, com quem convivemos, mas a amar a si próprio. Não com propósitos egoístas, mas com propósitos de crescimento.

Para a grande maioria, é mais fácil entender a Física Quântica do que falar de amor, ou seja, o amor é extremamente complicado, a ponto de muitos quererem repudiar esse sentimento. Mas há quem pense que o amor não deve ser entendi, mas sim, apenas sentido e vivido. Mas na minha opinião, o amor é algo simples de se entender, porém, acabamos impondo várias complicações e impedimentos, seja por meios de nossos conceitos e preconceitos, seja por meio de tradições ou o chamado “senso comum” da sociedade. Eu digo que o amor é a essência do ser humano, uma motivação que nos torna verdadeiramente humano, pois sem o amor, somos apenas cadáveres vivos, apenas pedaços de carne que vive sobre a terra.

Claro que há alguns que exaltam a inteligência e o conhecimento, bem como fatos científicos e precisos, mas no entanto, as imprecisões do amor e dos sentimentos das pessoas nos chamam a uma verdadeira curiosidade sem fim, que se firma sobre os sentimentos das pessoas. O amor não é um tratado escritos em livros, mesmo que sagrados, ou até mesmo acordados sob o senso comum. O amor, por se a essência verdadeira e pura do ser humano, é uma coisa que nos faz ser sociais, pois é o mesmo amor que mantém a humanidade perpetuada em nosso planeta, em nosso mundo. O amor nos faz ter a consciência dos valores que o próximo possa ter.

Há quem diga que devemos dar muito valor ao amor próprio, por darmos valor a nós mesmos, valorizar a nós mesmos, mas não devemos ficar somente no mesmo amor próprio. Há quem confunde amor próprio com egoísmo, mas o amor não foi feito para ser dado apenas para nós mesmo, ele tem de ser compartilhado para o próximo. O amor gera confiança, gera a paz interior para uma pessoa verdadeiramente amada. Quem se sente amado, acaba se tornando mais forte e até mesmo mais sábio. É como se deixássemos de ser pessoas das cavernas para vivermos como seres evoluídos de um jardim florido, coisas que só o amor pode dar, pois o amor de verdade leva ao paraíso.

Claro que aqui não cito apenas o amor conjugal, não é restrito apenas a namoro, noivados, casamentos e afins. Isso se aplica para a amizade, para família. Aliás, amizade pode gerar um relacionamento conjugal, bem como um relacionamento conjugal gera uma família, tudo pautado e alimentado pelo amor. O que importa, é que quando a pessoa é bem amada, ela é bem capaz de desenvolver o seu amor, especialmente o amor próprio. O amor é a seiva principal da afetividade humana, uma força que alimenta mais que o corpo, eu diria que o amor é o sangue da alma, mais que nos mantém vivos, mas nos dá a razão de vivermos. Ele é tão sutil que nos faz ir além do que vemos e tocamos, nos faz observar além do que vemos.

Não creio que o amor é cego, discordo completamente disso. O que nos cega, é o egoísmo, que nós acabamos confundindo com amor, que nos leva a obsessão, a vingança e aos ciúmes, que afastam as pessoas que verdadeiramente amam. O amor de verdade, este sim, que chamamos de amor, ele nos faz enxergar muito além do vemos. Podemos dizer que o amor nunca acaba, mas o que acaba um amor em relacionamento, é que as pessoa deixa de estar disposta amar até as últimas consequências, pois desistir de amar, é mesmo que desistir de viver. Então, aqui estão as minhas definições sobre o amor, mas não deixo de expressar a minha admiração pela definição do amor dada na Bíblia em I Corintios 13. O amor nos ajuda a crescer e evoluir, quebra barreiras que nem mesmo imaginamos enfrentar. Ele fortalece os fracos e enfraquecem os “fortes”. O amor não é inerente apenas a emoção, como também à razão humana, o que chamamos normalmente de amor racional. O que é o amor, bom eu concordo que a definição do amor será bem entendida, quando ela é vivida.

Seguir Fábio Valentim:

Analista de Sistemas e Escritor

Uma pessoa que está sempre disposta a acreditar nos sonhos, no amor e na felicidade até as últimas consequências. Sou proprietário e editor-chefe do Baú do Valentim.