Primeira Meta: Acabar com a Fome e com a Miséria

6

Por Fábio Valentim | 3 de fevereiro de 2009 às 15:30 | @ ,


Pin It now!

Quem tem fome, tem pressa! (Betinho)

Na época em que foi firmado as metas do novo milênio, cerca de um bilhão e duzentos milhões de pessoas sobreviviam com uma renda per capita inferior a cinquenta reais mensais (ou 1 dólar por dia). Apesar dos avanços consideráveis e importantes no combate à miséria, ainda há muito que se fazer, pois ainda é grande a quantidade de pessoas abaixo da linha de pobreza, é grande a quantidade de crianças desnutridas ou subnutridas, como é grande a quantidade de mendingos e moradores de rua, em centros urbanos.
Então, as campanhas de doação de alimentos são suficientes para o combate à fome nas comunidades? Vamos ao exemplo prático de uma campanha de alimentos permanente, realizado no bairro da Pavuna, bairro da cidade do Rio de Janeiro. Mensalmente as famílias paupérrimas que vivem nas favelas da região, recebem uma cesta básica com dois quilos de feijão, cinco quilos de arroz entre outros mantimentos. Seria uma boa reserva para uma família que tenha apenas um único filho e que pelo menos um membro da família esteja trabalhando com uma renda equivalente ao salário mínimo nacional. Mas a maioria das pessoas que vão buscar alimentos são de famílias que possuem três, quatro, cinco ou mais filhos e com pais desempregados e com pouca perspectiva de uma vida melhor, jogando esta responsabilidade para os filhos. Logo, a cesta básica não é suficiente. Mas vale lembrar que esta campanha sobrevive de doações.


Já foi visto no parágrafo anterior de que as campanhas de alimentos não são suficientes, nem com a Bolsa Família e Bolsa Escola promovido pelo govero brasileiro ou programas sociais, promovidos pelos governos estaduais e municipais. É preciso abrir as portas para estas famílias e dar uma orientação educacional para as mesmas e planejamento familiar (que não se limita a apenas aos métodos contraceptivos).


E Por falar em mendingos e moradores de rua nos centros urbanos, muitos deles, que são retirados das ruas, acabam retornando novamente para as ruas, não só por falta de estrutura nos projetos e abrigos sociais, como também muitos deles são acomodados demais em ficar sentados, recebendo esmolas. Também é preciso considerar que há casos de maltratos e abusos por parte dos agentes que trabalham nestes abrigos, especialmente os que são administrados pelo governo. É claro que a maioria deles querem desesperadamente sair daquela situação mórbida.

Não basta ter comida e bebida "à vontade", como visam boa parte das campanhas de doação de alimentos (principalmente aquelas capanhas que só funcionam na época de natal) e dos abrigos sociais para moradores de rua. É preciso educar, abrir as portas para o mercado de trabalho , e um bom acompanhamento psicológico e moral, para mostrar a perspectiva de vida. É preciso arregaçar as mangas, e que todos nós estejamos trabalhando juntos para o combate à pobreza e à miséria. 
O ser humano que vive na miséria, não que só comida. Ele também quer também dignidade, ser útil na sociedade. As pessoas sentem fome de auto-estima, de valores e de sonhos.

Muitos devem saber, mas a fome e a miséria se agravou na sociedade graças a assoberbada burguesia que por muito tempo queriam mais para si. É verdade que houve o aumento da contribuição para o combate à pobreza e à miséria, por parte deles, graças aos incentivos fiscais e insenções de alguns impostos e taxas. Com toda certeza do mundo, a fome e a miséria só vai mesmo desaparecer da sociedade, se a hipocrisia, a ganância e o consumismo também desaparecerem, pois foram e elas, as principais causadoras. 
 Que possamos ajudar o próximo e sermos solidários, sem hipocrisia e sem exigir nada em troca, pois como dizia São Francisco de Assis, "é dando que se recebe". E antes de pensar em ajudar a criança faminta que está no outro lado do mundo, olhe pelas crianças famintas que estão logo ali na esquina, bem debaixo do nosso nariz. É desta forma que podemos dizer: Acabar com a fome e a miséria. Nós podemos!
Artigos Relacionados:
Veja mais:





Assine Aqui



#  

6 comentários

eu acho que elees estao no caminho serto
pois todos nos temos que a cabar com a fome e a miseria

achei bem interessante esse texto pois retrata a verdadeira miséria que hoje vemos no nosso país...parabéns mesmo pelo texto!!!

Achei muito interessante esta reportagem pois eu estava precisando fazer um trabalho sobre isso e isso me ajudou muito, excelente.

Maneiro, gostei muito e ajudará muitas pessoas em trabalhos!!!♥♥♥

Gostei da abordagem. Pelo menos começamos, e adiantamos bem, já que
as elites se sentem incomodadas com esses desvio de verbas e essas priorizações, que antes eram privilégios só delas.
E assim prosseguiremos.

Fábio,

Não sou expert em nada, mas meu amigo, dentro da minha concepção de mundo foi uma da melhores análise que li sobre a fome e a miséria humana.
Fiquei arrepiada quando li: "O ser humano que vive na miséria, não quer só comida. Ele também quer dignidade, ser útil na sociedade. As pessoas sentem fome de auto-estima, de valores e de sonhos."
Um assunto atualíssimo temos que divulgá-lo!

Beijos!

Postar um comentário

O Baú do Valentim, sempre vai aceitar as opiniões, sem nenhum tabu. O Baú só não aceita críticas destrutivas e ofensas pessoais. Fora isso, fique a vontade, pois estamos aí pra isso: pra quebrar tabus e expor as idéias para mudar o mundo, ainda que seja apenas o teu próprio mundo. Os comentários deste post expressam as opiniões dos próprios autores dos comentários e não dos autores do site.

Loading...